TUTA - 13

OSVALDO DIAS DA SILVA - PREFEITO - PT - PARTIDO DOS TRABALHADORES - PRACINHA - SP

OSVALDO DIAS DA SILVA candidatou-se ao cargo de PREFEITO no município de PRACINHA e apareceu na urna como TUTA utilizando o número 13.

Sua candidatura foi pelo PT-PARTIDO DOS TRABALHADORES através da coligação PT - PARTIDO DOS TRABALHADORES - . Sua atividade MEMBROS DO PODER EXECUTIVO: PRESIDENTE, MINISTRO, GOVERNADOR, PREFEITO tendo nascido em 19111953 .

Sua escolaridade 2º GRAU COMPLETO e sua condição civil CASADO(A). Seu pedido de registro de candidatura à Justiça Eleitoral foi DEFERIDO.

Votação em 2000
TurnoZona EleitoralQtde. de votosResultado
1 69 410
Total 1o. turno410 NÃO ELEITO
  • Veja a lista completa de candidatos em PRACINHA-SP em 2000 .




    Candidatos a governador SP nos anos de:

    2006 2010 2014 2018



    Candidatos a senador SP nos anos de:

    2006 2010 2014 2018



    Candidatos a deputado federal SP nos anos de:

    2006 2010 2014 2018



    Candidatos a deputado estadual SP nos anos de:

    2006 2010 2014 2018



    Sobre as eleições municipais do ano 2000

    O Brasil mostrou a sua maturidade com as urnas eletrônicas e suas 5.559 programações específicas por todo o país. Do modo geral, o eleitor brasileiro, mesmo o mais humilde manejou o teclado com êxito. Acabou de vez aquelas emoções das mesas apuradoras, com os escrutinadores "cantando" os votos cédula por cédula, e também as incontáveis recontagens solicitadas pelos inconformados perdedores.

    Em comparação com 1996, as quatro novidades neste pleito municipal foram: 1) a possível reeleição imediata dos prefeitos eleitos em 1996, mediante emenda constitucional aprovada em 1997; 2) a universalização das urnas eletrônicas, que em 1996 foram experimentadas pela primeira vez em umas 50 cidades maiores; 3) o aumento das cotas para candidatas a vereadora, de 20% para 30%; e 4) a alteração do cálculo do quociente eleitoral para a eleição proporcional (vereador), onde os votos em branco deixaram de ser considerados válidos. Ao todo, 30 partidos estavam habilitados a lançar candidatos às 5.559 vagas para prefeito e 65.805 para vereador, 24 dos quais alcançaram pelo menos uma prefeitura, e 29 uma vaga de vereador.

    Das 26 capitais, 15 pleitos foram decididos em 1o turno, ficando 11 para o 2o turno. Nas outras 36cidades maiores, passíveis de 2o turno, 20 vão para o segundo turno. Este resultado não foi muito diferente do que o resultado do pleito de 1996, quando 14 capitais e 17 grande cidades realizaram eleições de 2o turno. [In https://anpocs.com/index.php/encontros/papers/25-encontro-anual-da-anpocs/st-4/st15-3/4642-dfleischer-uma-analise/file]